ATINGINDO A CONSCIÊNCIA DIVINA

Em um dos meus trabalhos de interiorização me foi apresentado, através de minha tela mental, quatro níveis de consciências representadas da seguinte maneira:

 

Consciência Divina

Consciência Eu Sou/causa primeira da criação

Consciência Cósmica

Consciência Humana/Ego

 

Naquele momento não entendi o que isso queria dizer, até por que não veio nenhuma explicação junto, embora estivesse num contexto que fazia sentido, mas era uma questão pessoal.

Como não existe o acaso, certo dia encontrei uma figura em um post no facebook (pedi permissão para que pudesse copiá-la) e logo associei com a imagem que havia recebido. Sabia que em algum momento teria que escrever algo a respeito.  Então refleti…

Consciência Humana/Ego está diretamente ligada aos nossos instintos mais primitivos, onde estamos apenas conectados com os nossos desejos e satisfações humanas, e não com as necessidades. Desejos que alimentamos através do Ego no sentido de querer, querer e querer, ter, ter e ter. Nesta fase o Ser está totalmente adormecidos para questões relacionadas à alma. A pessoa está alienada dentro de um sistema que ela mesma criou, e que para se isentar (inconscientemente) de suas responsabilidades, acusa o Outro – que é a sua outra parte. Assim se torna cômodo viver neste sistema alienante, achando que sempre uma outra pessoa é responsável pelo que lhe acontece. Se torna vítima do sistema.

Na passagem da Consciência Humana/Ego para a Consciência Cósmica a pessoa começa a perceber que existe algo além do seu próprio umbigo, do quadrado em que vive. Nota que tem uma alma e torna-se capaz de se sintonizar e estabelecer contato extra físico com Seres além da matéria (3ª dimensão), embora de forma limitada por que ainda está preso a questões materiais. Sente que “Algo Maior” a orienta em sua caminhada terrena (muitas vezes chama de mentor, guia, mestre espiritual…), apesar de duvidar dessa possibilidade, por estar em um processo de transição e por ser algo desconhecido. O desconhecido normalmente causa medo e desconfiança. Neste estágio a pessoa passa a reconhecer a sua própria sombra e a perceber a sua Luz. Está num processo de ascensão integrando seus Eus Multidimensionais. É um caminho sem volta. Começa então a questionar-se: “Quem sou eu, o que estou fazendo aqui e qual é a minha missão?”. Transita entre a sua própria Luz e Sombra, o que lhe causa incomodo.

A Luz assusta, afinal há muito tempo nos desconectamos dela e reencontrá-la ofusca a visão. É desconfortável. Até o momento em que se reconhece inteiramente como um Ser de Luz e é capaz de integrar a sombra e a Luz, reconhecendo que tudo faz parte e passa a amar incondicionalmente. Neste momento já alcançou a Consciência Eu Sou/Causa primeira da Criação e o que a guia é a sua sabedoria em conexão direta com a Fonte. Nesta fase não apenas sabe e reconhece quem é, mas também por que está onde está e qual é sua missão. Sente-se parte da Criação e Um com o Criador, Tudo o Que É. Não tem dúvidas e desta forma está liberto das amarras que ela mesmo criou em sua vida, percebe e sente que é a principal responsável por tudo que lhe acontece, está livre de julgamentos, medos e de qualquer “lixo emocional” que possa fazê-la perder o entusiasmo. Acolhe tudo em seu coração sabendo que faz parte e transmuta em Amor e Luz. Assumi-se como co-criador consciente.

Consciência Divina é o próprio Criador (Tudo ou Nada ou um Vácuo representado por um Ponto) momento que atingiremos quando cumprirmos a nossa Verdadeira missão seja lá onde formos designados a cumpri-la, planeta, galáxia ou dimensão. Esta é a busca inconsciente de toda a humanidade, retornar à Consciência Divina à volta para casa.

Neste processo de transição de consciência algo que nos atemoriza é o encontro com a nossa própria Luz. Assim, sabiamente disse Nelson Mandela em um de seus discursos.

“Nosso maior medo não é sermos inadequados. Nosso maior medo é não saber que nós somos poderosos, além do que podemos imaginar.
É a nossa luz, não nossa escuridão, que mais nos assusta. Nós nos perguntamos: “Quem sou eu para ser brilhante, lindo, talentoso, fabuloso?”  Na verdade, quem é você para não ser? Você é um filho de Deus.
Você, pensando pequeno, não ajuda o mundo. Não há nenhuma bondade em você se diminuir, recuar para que os outros não se sintam inseguros ao seu redor.
Todos nós fomos feitos para brilhar, como as crianças brilham. Nós nascemos para manifestar a glória de Deus dentro de nós. Isso não ocorre somente em alguns de nós; mas em todos.
Enquanto permitimos que nossa luz brilhe, nós, inconscientemente, damos permissão a outros para fazerem o mesmo.
Quando nós nos libertamos do nosso próprio medo, nossa presença automaticamente libertará outros.”

2 comentários sobre “ATINGINDO A CONSCIÊNCIA DIVINA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao Topo
Open chat